terça-feira, 24 de março de 2009

Dia de Marmota

Uma das grandes surpresas que tive nessa cidade. Há um tempo que conheci uma pessoa, uma das mais interessantes que já tinha cruzado por aqui. Estava escrito na nossa história o dia da marmota; era para ser.

Primeiro convite para café naturalmente não deu certo. Claro! Desde quando essa cidade tem cafés? Segundo convite, adivinha? Sem sucesso. Enfim, no terceiro conseguimos marcar. Eu devia ter desconfiado desde o princípio mas, estava entusiasmada demais para isso.

Começou com o horário, sugeri 18:45, você riu da minha cara. Quem marca café as 18:45? Ou são 18:30 ou 19:00! Insisti nas 18:45 e você cedeu a minha vontade.

Dia marcado, 18:44 eu entrei no café, logo após de enfrentar um dia difícil, com sumiço de medicamento, batida no caminho, polícia (sim, eu estava sem o documento do carro) e fila no estacionamento – véspera de natal é triste. Você não estava no café e eu estava um minuto adiantada. Esperei... 19:00.

Houve falha de comunicação; ou não te avisaram que eu tenho pontualidade britânica ou, não me avisaram que brasiliense não tem noção de horário. As 19:03 tu chegas ao café agradecendo por chegar a tempo, e eu pensando nos 18’ de atraso. Mal pegamos o cardápio e chegaram conhecidos teus; quando íamos pedir, chegaram conhecidos meus. Sentamos e o mundo nos chamou de volta. Pode até querer negar mas, era a marmota.

Um comentário:

Yamsine disse...

Claro que lembrei de algo! Adoooorei o texto. 18:45 é demais, né? hahaha
Que tal um café às 18:33 no sábado?
E que a marmota se desfaça. Ram!
Saudades de você, Ju.